[Revista Digital] O Universo das Cores Parte II | Marcia Lopes

Você sabe quais as melhores cores para ir a uma entrevista de emprego? E para um jantar? Reunião de pais no colégio do seu filho?
Quer se abrir a novas ideias? Aproveite essas dicas.

As cores e suas mensagens
Amarelo: é pura excitação e abertura a novas ideias.
Azul-marinho: transmite honestidade, integridade e confiabilidade. É uma cor associada a valores tradicionais, conservadorismo e elegância. O azul é a cor predileta para a maior parte das pessoas, carrega a virtude da simpatia, da harmonia e da capacidade intelectual. Não é de espantar, portanto, que a cor, em várias nuances, seja a mais usada nos ambientes corporativos. De acordo com o Wagner Institute of Color, na presença de um traje azul-celeste,o cérebro produz onze hormônios tranquilizantes, razão pela qual as pessoas se sentem mais relaxadas na presença de azuis frios. (…)
Branco: está associado à serenidade e calma para enfrentar situações desconhecidas, comunicando ainda simplicidade, pureza, esperança, confiabilidade e ideais artísticos. Passa a mensagem de ordem, simplicidade, limpeza, otimismo, harmonia, estabilidade, bem, juventude, divindade.
Nossa reação psicológica é a de purificação dos pensamentos, como reagimos à força psicologicamente para romper obstáculos, clareza mental.
Na vestimenta, inocência, feminilidade, confiabilidade, cor de status e sinônimo de sofisticação.
Para ilustrar, há o caso da Advogada que deixou sua profissão após quinze anos e tirou um ano para se recuperar. Durante esse período, viu-se constantemente usando branco. Cor das férias de verão, o branco é neutro e simboliza a rendição. Era uma cor que nada se esperava dela, permitindo-lhe permanecer em seu próprio espaço.
Cinza-chumbo: sugere autoridade, conservadorismo, refinamento, inteligência.
Creme/Caramelo: indicam elegância, acessibilidade e confiança.
Laranja: remete a desafios. Ligado a exotismo, criatividade, praticidade, motivação, sociabilidade e, no mundo dos negócios, a conquistas monetárias.
Marrom: passa uma imagem de estabilidade, segurança e resistência a mudanças. A cor é sólida e confiável e passa a impressão de calor e bondade natural.
Rosa é a cor da delicadeza e do romantismo, transmitindo confiabilidade.
Verde: é cordialidade, harmonia, firmeza com tranquilidade, ponderação e equilíbrio. Todavia, o Wagner Institute descobriu que verde é a pior cor para solicitar doações – a não ser que você seja Escoteiro. Também é uma provável má escolha para uma entrevista de emprego ou promoção de produto.
Vermelho: é coragem, sensualidade, força, movimento; comunica poder, persuasão, ousadia e sedução. É uma cor que chama a atenção, mas deve ser usada com cuidado, pois pode cansar. Passa a mensagem de excitação, estimulante, dramático, apaixonado, valor.
Aumenta o entusiasmo, estimula a energia e pode elevar a pressão arterial, respiração, batimentos cardíacos e pulsação, incentiva ação e confiança, proporciona uma sensação de proteção contra o medo e a ansiedade.
Na vestimenta, em especial, suas mensagens são de sensualidade, perigo, atrai atenção. Se o vermelho for para tons de ameixa e vinho, o discurso será de realeza, diplomacia e sofisticação. Toda cor tem também certas conotações culturais. Por exemplo, na cultura asiática, o vermelho é usado em vestidos de casamento, não só porque acredita que ele espanta os demônios, mas porque era usado como cor da realeza e da aristocracia durante a Idade Média. Na nossa sociedade, no entanto, o vermelho representa sangue, raiva e perigo – mas também simboliza erotismo e paixão.
Vinho: representa refinamento, elegância e formalidade.
Preto: denota elegância, mas agrega, ainda, autoridade, poder, formalidade e certa distância. Tem uma mensagem chique, sofisticada, autoritária, assertiva, rebelde, misteriosa, poderosa. Mas também, negativa, triste, de negação, de renúncia, lembrando a morte e o mal.
Quem usa a cor se sente discreto e evocando um sentimento de potencial autoridade, dominação, poder, mistério e sofisticação.
A cor possui muitos significados derivados de associações culturais e sociais. Assim, aqueles que vivem em países diferentes e têm valores culturais distintos podem ter reações diversas e perceber conotações variadas em relação à mesma cor. Por exemplo, em muitos países ocidentais, o vermelho é associado ao perigo, mas também sugere festividade se usado com ouro, pois as cores costumam ser vistas juntas em cartões e decorações de Natal. Por outro lado, em muitos países orientais, o vermelho sugere boa sorte, riqueza e pureza. Do mesmo modo, no ocidente, a cor mais associada à morte é o preto, mas, no oriente, o branco geralmente é usado para denotar luto.
Um beijo grande e até a próxima.

Referências
Ambrose, Gavine Harris, Paul. Dicionário Visual de Design Gráfico. Porto Alegre: Bookman, 2009a
_____________. Cor. Porto Alegre: Bookman, 2009b
_____________. Design básico cor. Tradução de Francisco Araújo da Costa. Porto Alegre: Bookman, 2009c
Barros, Lilian Ried Miller. A cor no processo criativo: um estudo sobre a Bauhaus e a teoria de Goethe. São Paulo: Senac, 2009
Ferreira, Alexandre de Oliveira. Heisenberg e a doutrina das cores de Goethe e Newton. SCIENTIAE studia, São Paulo, v. 13, n.1, p. 175-206, 2015.
Fischer-Mirkin, Toby. O código do vestir: os significados ocultos da roupafeminima. Tradução de Angela Melim. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.
Grund, Arlindo. Nada para vestir: aproveito ao máximo ou seu guarda-roupa e arrase em qualquer ocasião. São Paulo: Planeta, 2005
Guimarães, Luciano. As cores na mídia: a informação da cor-informação no jornalismo. São Paulo: Editora AnnaBlume, 2003
_____________. A cor como informação: a construção biofísica, linguística e cultura da simbologia das cores.São Paulo: Editora AnnaBlume, 2001
Heisenberg, Werner. A doutrina goethiana e newtoniana das cores à luz da física moderna (Conferência proferida em 5 de maio de 1941 na Sociedade para Colaboração Cultural de Budapeste). SCIENTIAE studia, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 207-21, 2015.
Heller, Eva. A psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. São paulo: Editora Gustavo Gili, 2013
Munari, Bruno. Design e comunicação visual. Lisboa: edições 70, 2009
Pedrosa, Israel. Da cor à cor inexistente. São Paulo: Editora Senac, 1989.
_____________. O Universo da Cor. Rio de janeiro: Senac Nacional, 2008.
Silva, Nelson da. O desenho de estamparia para roupa de cama: os grandes avanços decorrentes dos processos criativos aliados às novas tecnologias. Universidade de São Paulo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, São Paulo, 2017
Silveira, Luciana Martha. Introdução à teoria da cor. 2. ed. Curitiba: Ed. UTFPR, 2015.
Taleb, Alexandre. Imagem masculina: guia prático do homem contemporâneo. São Paulo: Senac, 2016
Thomazi, Patrícia Thormann. Aplicações educacionais mobile: a teoria das cores no processo de projeto em Design. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Engenharia, Programa de Pós-Graduação em Design, Porto Alegre, BR-RS, 2017.
Ulrich, Luciana. Análise de Coloração Pessoal. São Paulo, 2016. Curso oferecido pelo Studio Immagine, à turma de consultores de imagem.

Marcia Lopes
Formada em Estilo e Imagem Pessoal, Personal Shopper e Coloração Pessoal |Interfaces da Moda: SENAI Antoine
Skaf |Cursando Desenho de Moda |Membro da Associação Internacional de Consultores de Imagem | Aventuro-me
neste mundo da moda desde 2013| Em 2015, saí dos bastidores e me lancei nas redes sociais produzindo
conteúdo |Também colaboro com o blog Portal da  Secretária | Apresentadora do Programa Papo e Estilo.
Ah! Sou formada e pós-graduada em Direito.

%d blogueiros gostam disto: