Pin It

[Revista Digital] A Importância da Imagem Pessoal no Ambiente de Trabalho- Márcia Lopes

A Importância da Imagem Pessoal no Ambiente de Trabalho – Parte I

Primeiramente, permita que eu me apresente.

Sou Marcia Lopes, ariana, mãe da Melissa, mulher do Marcelo, apaixonada pela vida corporativa e pelos reflexos da imagem nesse mundo. Além da importância da moda na sociedade como um todo.

Sou formada em Estilo e Imagem Pessoal, “Personal Shopper” e Coloração Pessoal.

Gostei tanto dessa formação que, mesmo sendo Advogada com pós-graduação, fui fazer especialização no SENAI em Interfaces da Moda e, na mesma instituição, curso Desenho de Moda.

Sou membro da Associação Internacional de Consultores de Imagem, instituição em que também atuo como voluntária no Departamento Jurídico.

Assessora da 20ª Turma do Tribunal de Ética da OAB/SP.

Apresentadora do Programa Papo e Estilo, Canal 15, da NET, SWTV.

Possuo mais de 20 anos de experiência no mundo corporativo, além de vivência acadêmica.

Com essa minha experiência, espero de coração contribuir muito com a Executiva News Revista Digital, trazendo conteúdo informativo embasado e que nos proporcione discussões e reflexões.

Baseada nessa proposta, decidi usar um pouco desse tema, que foi o título do meu artigo de pós-graduação para nossa reflexão. Utilizei um método científico, mas me atentei a uma linguagem que seja agradável ao leitor.

“A imagem profissional projetada por um indivíduo no mundo dos negócios é muito importante e pode causar um efeito profundo no progresso de sua carreira”.[1]

“É muito importante para um indivíduo ser lembrado em sua área de atuação, servindo de referência para outros profissionais e de recomendação para clientes e empresas”.[2]

Se concordarmos com essas frases entenderemos que, para que um profissional se destaque no seu ramo de atividade, é necessário que, além de demonstrar suas competências e características individuais, deverá destacar-se também a forma como ele se apresenta por meio de suas roupas e da aparência, pois, antes até de sua capacidade técnica, é por intermédio do contato visual que podem ser tiradas as primeiras impressões sobre determinada pessoa. Já que “existe uma tendência para assumirmos que o “interior” de uma pessoa é reflexo do seu “exterior”, nomeadamente, pela sua indumentária”.[3]

Quando citamos “aparência”, intencionamos ampliar o conceito da imagem pessoal para além da vestimenta e adotar o conceito da imagem global, que aborda os conceitos de cuidados com cabelos, barbas, unhas e também regras de etiqueta social, já que uma boa imagem pessoal não pode estar somente atrelada à vestimenta adequada se o indivíduo demonstrar desleixo ou falta de princípios de socialização.

Essa imagem global, no mundo corporativo, também é conceituada como estética laboral e refere-se a requisitos de personalidade, atitude, aparência e comportamento com foco para exercer um trabalho ou obter um emprego.[4]

“Cada pessoa é uma marca, representada pelo seu nome e por sua aparência. Essa marca é formada por uma série de características associadas à sua personalidade, interesses, atividades, amizades, família, aparência pessoal, ativos, capacidades e profissão. A marca irá afetar a percepção e influir, portanto, em todos os nossos relacionamentos. É muito agradável se relacionar com outras pessoas caracterizadas e reconhecidas como “boa” marca. Dessa marca, dependem também a simpatia e o respeito que uma pessoa é capaz de gerar.”[5]

À medida que o seu visual profissional evolui, certifique-se de que ele é flexível o suficiente para abrir espaço a variações; nenhum visual, quando se adere a ele de modo rígido, será apropriado a todas as ocasiões de negócios. Felizmente, isso não quer dizer que você tem que ter o equivalente a uma loja de departamentos no seu armário. Em geral, são os detalhes simples – porém reveladores – da sua vestimenta que conduzem às mensagens mais poderosas.[6]

Existe uma famosa frase que diz “A primeira impressão é a que fica”, isto é, a sua imagem, o que diz e faz quando conhece alguém. Essa primeira impressão também deve ser considerada no ambiente de trabalho, pois de início determinará a imagem que chefes e colegas terão, uma vez que, tanto no trabalho quanto em nossa vida pessoal, em todo momento, estamos sendo vistos e avaliados.

“No ambiente de trabalho, você deve entender o que constitui uma imagem profissional para corresponder com eficiência aos padrões e expectativas que estabelece para si mesmo. Além do mais, é preciso reconhecer a importância de uma imagem profissional e como ela afeta a autoconfiança, a interação com os colegas, clientes, supervisores e o sucesso final na mobilidade da carreira.”[7]

Tendo em vista esse contexto, muitas organizações optam por determinadas políticas de vestuário por conta das percepções que a imagem desencadeia em seus funcionários e em terceiros.

A expressão “Uma imagem vale mais que mil palavras” reflete o consenso implícito de que os símbolos físicos (onde se inclui a vestimenta – grifo nosso) transmitem um conjunto rico de significados. “Trata-se de uma importante linguagem não verbal que ajuda a clarificar a complexidade relacional dentro de uma organização, gerindo a identidade, qualidade e compreensão da vida organizacional”.[8]

Em um estudo que focou clientes varejistas da indústria têxtil no Brasil, foi constatado que a aparência dos funcionários é parte da qualidade dos serviços em nível similar à qualidade das instalações, segurança nas transações e outros itens que conduzem à satisfação dos clientes.

Deste conceito, concluímos que a imagem pessoal mescla-se à imagem de seu ambiente corporativo, deixando de ser elemento singular para tornar-se a imagem de um grupo, a representatividade da ideologia de uma organização, assumindo um papel de manipulador da imagem que os indivíduos transmitem.

Um apanhado do que tentei aqui exprimir: a importância da imagem é uma demonstração de autopercepção e confiança do profissional e um diferencial para a empresa, pois, mesmo não sendo o único fator determinante numa possível promoção, sua importância no contexto ainda é considerada.

Na Consultoria de Imagem, costumo dizer ao cliente que me procura que o ideal é que ele deva se vestir de acordo com o cargo que deseja alcançar, e não com o posto que está ocupando.

Termino com essa frase para reflexão e, para a nossa próxima edição, abordaremos e concluiremos essa matéria, ainda embasados nesse artigo, almejando, dessa forma, desmitificarmos o assunto e, com o decorrer desse nosso relacionamento, compreendermos sua real importância em todos os aspectos da nossa vida.

Um forte abraço e até a próxima edição.

 

Ressalva: todas as fontes utilizadas, de maneira completa, constam do trabalho depositado originalmente, de minha autoria sob a coordenação do Prof. Ms. Wan Chi Ming.

 [1] Cooper, 2009.

[2] Balbino, Pinheiro Neto e Pontes de Aquino, 2015.

[3] Santos, 2001.

[4] Pisa e Filho, 2015.

[5] Balbino, Pinho Neto, Aquino, 2015.

[6] Fischer-Mirkin, 2001.

[7] Cooper, 2009.

[8] Santos, 2001.

Marcia Lopes
Formada em Estilo e Imagem Pessoal, Personal Shopper e
Coloração Pessoal |Interfaces da Moda: SENAI Antoine
Skaf |Cursando Desenho de Moda |Membro da Associação
Internacional de Consultores de Imagem | Aventuro-me
neste mundo da moda desde 2013| Em 2015, saí dos
bastidores e me lancei nas redes sociais produzindo
onteúdo |Também colaboro com o blog Portal da
Secretária | Apresentadora do Programa Papo e Estilo.
Ah! Sou formada e pós-graduada em Direito.

(Visited 19 times, 1 visits today)
%d blogueiros gostam disto: