O que suas decisões dizem sobre você? | Artigos | Secretariado Executivo

O que suas decisões dizem sobre você?

Temos inúmeras decisões a tomar todos os dias: levantar às 05:00h e ir para academia ou desligar o despertador e continuar sedentário, jogar lixo na rua ou esperar até encontrar uma lixeira, Uber, 99, táxi, ou outra opção? Algumas decisões são obviamente mais importantes do que outras, mas, no final, nossas decisões visam mostrar dois aspectos essenciais: nossos objetivos e o nosso caráter.

Sigamos para o âmbito profissional. Nossas atitudes retratam a maneira como enxergamos a nós próprios, consequentemente, o espelho que reflete nossa imagem reflete também como nos posicionamos no ambiente organizacional. O resultado é que nosso agir, mais cedo ou mais tarde, trará o bônus ou o infortúnio do ônus.

O tempo não para e existe forte concorrência em nosso meio e, de fato, ela pode ser muito positiva. Acesse o artigo que escrevi para a Executiva News em setembro e confira!

Mas aqui segue com um olhar diferente…

Atualmente, não se deve acreditar que os concorrentes do Secretariado Executivo são somente outros profissionais da mesma área de atuação, mais ou menos experientes.

Além deles, há toda uma gama de profissionais buscando um espaço no mercado de trabalho e, se não houver aprendizado constante, reciclagem e interesse em melhorar o seu perfil profissional e comportamental, pode perder uma vaga para um indivíduo mais jovem ou mais velho que tenha essas características, tendo especialização na área ou não.

Amar a profissão e demonstrar esse sentimento por meio de práticas condizentes também é essencial.

Nenhuma organização deseja contratar profissionais mal-humorados, orgulhosos, grosseiros, amantes de si mesmos, que rendem pouco e que trabalhem somente por receber o dinheiro no final do mês. Se você realmente escolheu essa profissão, SEJA Secretário e não ESTEJA Secretário.

Há uma diferença muito grande entre esses dois verbos e o mundo globalizado pede o primeiro.

Avalie o seu trabalho constantemente e peça feedback ao Executivo. Faça o melhor e receberá como salário a satisfação que resplandece no olhar das pessoas após entrega de um trabalho excelente e que leva o seu sobrenome.

Procure sempre aprimorar os seus pontos fracos e conhecer os seus pontos fortes. Alguns profissionais sofrem com a síndrome da perfeição inatingível – não se deixe contaminar ou cure-se rapidamente.

Comemore sempre que fizer um bom trabalho e não espere o reconhecimento de outros, valorize-se e admita quando acertar e errar. É feio não admitir o erro! Mas o principal: compreenda, de uma vez por todas, que você não está sozinho e que sempre existirão bons profissionais para auxiliá-lo em uma demanda.

Portanto, divida o conhecimento, trabalhe em equipe e auxilie aquele que precisar de seu socorro. Por fim, lembre-se de que todos têm o seu valor e sua importância e isso requer humildade para reconhecer e simplicidade para agir. Meu atual cargo está em uma das posições mais elevadas que um profissional da área pode alcançar e penso que é meu dever enxergar os que estão hierarquicamente abaixo com o respeito e consideração que cada um merece e, por meio da minha experiência, contribuir positivamente.

A vida é cíclica, compreender isso é parte da sabedoria que buscamos.

A emoção como canal para comunicação.

Tanto o Secretário Executivo como qualquer outro profissional carrega e demonstra suas emoções no ambiente de trabalho. Afinal, as emoções são partes integrantes da natureza humana e é um grande erro ignorar os elementos emocionais do comportamento organizacional ou avaliar o comportamento dos indivíduos como se fosse puramente racional.

Sem dúvida, é importante que o profissional tenha conhecimento de si mesmo, isto é, que conheça seus sentimentos, sensações, ações, entre outros. Quanto mais ele possuir “autocontrole” e “autoconhecimento“, mais poderá utilizar suas emoções ao favor de seu desenvolvimento pessoal e profissional. Além do mais, essas técnicas servirão para que ele evite o excesso de estresse e mantenha seu bem-estar físico, psíquico e social.

Entretanto, temos plena consciência de que a habilidade do autoconhecimento não é uma tarefa simples e fácil. Requer um árduo trabalho e muita dedicação. Em muitos casos, “exige” também a ajuda de um Terapeuta ou Psicólogo. O importante é ressaltar que essa habilidade bem desenvolvida permite com que o indivíduo compreenda sua maneira de agir e reagir em determinadas situações, além de conhecer seus sentimentos mais íntimos e aprender a melhor forma de lidar com eles.

Precisamos urgentemente alinhar o verbo à prática, respeitando as diferentes opiniões, os valores e as propostas ou objetivos de vida dos indivíduos, principalmente utilizando os erros como veículo para o aprendizado e não para lamentações e autopromoção inútil.

Qual sua escolha?

Não existe receita de bolo “fit” “delicioso” sem glúten e lactose, mas temos alguns conceitos:

• “Conhecer as principais emoções“: capacidade de o profissional reconhecer e dar a devida importância não somente àquilo que vê e ouve, mas também às suas sensações com relação a si mesmo e aos demais. Utilizar a emoção como amiga da razão é uma sábia decisão.

• “Lidar com suas próprias emoções“: reconhecer e preocupar-se com suas próprias emoções para, posteriormente, aprimorar o seu autocontrole. Também é importante “reforçarmos” a necessidade do desenvolvimento do autoconhecimento.

• “Motivar-se por meio das emoções“: colocar seus aspectos emocionais para estimular sua criatividade e motivação diante de suas escolhas, metas e objetivos.

• “Reconhecer emoções nos outros“: capacidade de se “colocar” no lugar do outro e desenvolver a empatia.

• “Lidar com a emoção dos outros“: conhecer as suas emoções e as do próximo e, além disso, saber lidar com essa mescla de sentimentos. Esse seria o ápice da inteligência emocional.

Em qualquer contexto, entendo que a base familiar tem fundamental importância. Ela nos proporciona um alicerce seguro e duradouro com conceitos de bom relacionamento, respeito ao próximo, ética e autocontrole. Afinal, onde mais plenamente exercemos ou não essas características tão essenciais do que em nosso próprio lar?

Como você tem pautado as decisões na sua vida? Saiba que, de fato, elas determinarão seu futuro.

Ah, e se você conhece uma receita de bolo com as características acima, escreve para mim!

Claudia Schaffer

Secretária Executiva da Presidência

Formada em Secretariado Executivo Bilíngue

in/claudiaschaffer

39 anos, mãe, casada

Cel.: (11) 9-8239-4135

E-mail: claudia.schaffer35@gmail.com

Revista Digital: http://executivanewsrevistadigital.com/

 

%d blogueiros gostam disto: