O entendimento sobre cultura organizacional | Ingrid Rabelo | Secretariado

 

RESUMO:

Esta pesquisa tem como objetivo trazer o entendimento e os benefícios sobre a cultura organizacional, possibilitando o equilíbrio comportamental dos empregados no ambiente de trabalho, onde as relações de competitividade e individualismo são constantes em uma organização, situação que gera conflitos entre os empregados, afetando não apenas o ambiente, mas também o desequilíbrio coletivo e atingindo a produtividade e metas impostas nas empresas ou setores responsáveis. Assim, este conteúdo dá meios de melhoria e vias de implantação da cultura organização.

 

INTRODUÇÃO

José Roberto Marques, Master Coach Trainer, Diretor-Presidente do Instituto Brasileiro de Coaching – IBC, comenta sobre a importância da cultura organizacional de uma empresa, diz portanto que:

Uma empresa é composta essencialmente por pessoas, e estas devem ser balizadas por sua cultura organizacional. Esta, por sua vez, consiste nas crenças, valores, regras de conduta, morais e éticas, e ainda pelos princípios e políticas de gestão implantadas pela organização.

Estes elementos evidenciam a influência da cultura organizacional de uma empresa como o alicerce de suas ações e práticas de gestão de pessoas e resultados. Toda empresa, seja qual for seu tamanho, tem sua política organizacional e, ainda que ela não seja evidente, é a de uma empresa, pois estão em contato direto com seus empregados. É a partir desta cultura que os colaboradores são orientados para a realização de suas tarefas.

O papel do líder na cultura organizacional é o principal fomentador da cultura e é o responsável por transmitir os preceitos, visões e os valores da empresa. Esta orientação permite direcionar e condicionar os comportamentos dos colaboradores, para que sua conduta dentro da organização seja condizente com aquilo que a organização considera ideal.

Normalmente, cada empresa tem sua própria cultura organizacional, e esta se adéqua às suas necessidades. Respeitar estas regras é parte fundamental para a manutenção dos colaboradores, e as lideranças devem orientar as condutas e estarem atentas aos comportamentos dos profissionais que desrespeitam estas regras, uma vez que, sem acompanhamento, estas atitudes podem se multiplicar.

A cultura organizacional também previne e pode ajudar a resolver conflitos internos, sendo que apoia na gestão efetiva do capital humano, na dissolução de problemas interpessoais, além de mostrar à sociedade quais os valores, as visões e crenças seguidas pela organização. Por outro lado, se a cultura organizacional não estiver clara e contiver elementos que impossibilitem o crescimento dos colaboradores e da empresa, esta será um obstáculo a mais para o desenvolvimento sistêmico e deve ser urgentemente revista.

Nos anos 90, o conceito de cultura organizacional recebeu várias críticas, sendo que uma delas foi que o conceito foi admitido pela comunidade acadêmica de forma muito rápida. Alguns autores chegaram mesmo a afirmar que o conceito em questão entraria em decadência. A cultura organizacional remete para comportamentos implícitos que contribuem para a produção de sentido, sendo também responsável pelas características únicas de cada empresa.

Esta contribui para a edificação da identidade organizacional, que pode coincidir com uma imagem positiva, revestindo a empresa de prestígio e reconhecimento.

A formação de uma cultura organizacional surge quando são criadas e difundidas de mensagens relativas à empresa e sua identidade, através de meios formais e informais. Acredita-se que existem cinco tipos de cultura organizacional: cultura da culpa, cultura multidirecional, cultura viva e deixe viver, cultura que respeita a marca e cultura da liderança enriquecida.

O clima organizacional faz parte e é criado em função da cultura organizacional de uma empresa ou instituição. Consiste no ambiente que é vivido no contexto empresarial, que pode impactar negativamente ou positivamente a produtividade da empresa em questão. Cada integrante de uma organização tem um papel a desempenhar no clima organizacional, podendo influenciá-lo e ser influenciado por ele.

O professor Idalberto Chiavenato, um nome que contribuiu grandemente na área da Administração e Recursos Humanos, estabelece a comparação entre a cultura organizacional e um “iceberg”, cuja parte visível é apenas uma pequena parte, enquanto a parte submersa representa a maior parte do “iceberg”. O mesmo acontece no contexto de uma organização: a parte visível é pequena, que é sustentada pela parte “invisível”, que representa os fenômenos internos da empresa.

 

CONCLUSÃO

Com essa constatação da existência de tantos esquemas e cognições diferentes, a organização se sustenta em meio a tanta diversidade, já que a mesma requer tarefas que levem a objetivos comuns. Isso pode ocorrer através de treinamentos ou de socialização da cultura. Sabe-se que os membros de uma organização têm interesse em estabelecer significados comuns para que uma ordem social seja possível aos comportamentos previsíveis.

As divergências e as “brigas” internas podem ser resolvidas através de treinamentos e atividades grupais, procurando valorizar a integração e focar a importância de se ter um excelente relacionamento com os membros da equipe. O Gerente também terá que fazer o seu papel, dando apoio aos comentários e fazendo treinamentos com seus colaboradores, evitando assim qualquer tipo de atrito que possa ocorrer futuramente.

Contudo, isso não depende somente do gestor: todos terão que estar envolvidos nesse processo. Os funcionários também têm um papel importante para a construção de um ambiente saudável, pois dependem de suas condutas e atitudes para acabar com problemas desse tipo. É importante ressaltar, diante dos registros e do que foi observado, os aspectos positivos e negativos, tais como a experiência adquirida e o desconforto emocional no ambiente de trabalho. Toda e qualquer prática realizada nos leva ao aprendizado, sendo este bom ou ruim – temos que aprender a extrair algo significativo.

 

REFERÊNCIAS

COLUNA MMA – “Ministério do Meio Ambiente”, Brasília, 01 de abril de 2014, “site”: www.mma.gov.br

“Instituto Brasileiro de COACHING”, entrevista com o Diretor-Presidente Sr. José Roberto Marques.

LIVRO Escola Viva, Programa de Pesquisa e Apoio Escolar. “O Tesouro do Estudante”. 1. Edição. São Paulo: Meca, 1998.

RABÊLO, Miranda Ingrid. “Desenvolvimento da Temática do Relacionamento Interpessoal nas Organizações Públicas e Adoção de Medidas para Melhoria da Explanação no Ambiente de Trabalho”. Salvador/BA, 2014. Relatório de Estágio da disciplina Estágio Supervisionado II, curso de Secretariado Executivo – “UCSal”.

 

Ingrid Miranda Rabêlo

MBA em Administração e

Negócios Internacionais–UNINTER

Bacharel em Secretariado Executivo–UCSal

Colaboradora em Artigos e

Textos da Executiva News Revista Digital

Cel.: (71) 9-8629-2113

(Salvador-BA)

E-mail: ingridhrabelo@gmail.com

 

%d blogueiros gostam disto: